Pesquisar neste blogue

domingo, 11 de junho de 2017

Rio Maior na Tela




"Rio Maior na Tela" é uma iniciativa da Câmara Municipal de Rio Maior, integrada nas comemorações dos 180 anos do concelho e inaugurada em Novembro de 2016. São disponibilizadas réplicas de pinturas de autores riomaiorenses alusivas ao nosso concelho. 





São 15 as pinturas expostas da autoria de 9 artistas, Rui Pinheiro, António Almeida, José Estrela, João Carvalho, Fernanda Falé, Artur Ribeiro, António Rafael, João Miguel e Luís Fernandes. 
Esta excelente exposição ao ar livre é mais um motivo para percorrer as ruas da cidade descobrindo recantos e apreciando as obras de arte. Por vezes é bom que as obras de arte saiam das salas e sejam presenteadas às pessoas no exterior.

sexta-feira, 9 de junho de 2017

III Mercadinho Romano de Rio Maior




Abriu hoje mais um Mercadinho Romano em Rivus Maior.

Neste mercadinho vende-se de tudo um pouco, como comida, vegetais, artesanato, plantas, sabonetes, perfumes, bijutaria, …
Esta excelente iniciativa que já vai na terceira edição, mobilizou muita gente. É com acções destas que se promove o envolvimento da população, se divulga a arte, se dignifica a história e se valoriza a terra.
A abertura do mercadinho foi precedida pelo cortejo que reuniu várias centenas de figurantes. O cortejo percorreu a Avenida Paulo VI, Rua Dr. Francisco Barbosa, Rua Serpa Pinto, Praça da República, Rua David Manuel da Fonseca e terminou na Praça do Comércio. É precisamente na Praça do Comércio  que o mercadinho foi montado.
A Sra Variadora da Cultura, Ana Filomena Figueiredo, participou no cortejo fazendo-se transportar numa liteira romana. Dignificou desta forma a iniciativa, encarnando uma personagem da época dos romanos.
O Mercadinho Romano privilegia a interacção com a comunidade escolar local. Este ano contou com a participação da Escola Secundária de Rio Maior, Agrupamento Marinhas do Sal, Agrupamento Fernando Casimiro e o Colégio Alto Pina.
Rio Maior teve uma presença romana significativa, como comprova a Villa Romana cujas ruínas se podem visitar. Este mercadinho é uma forma de reavivar a história da região.



















Se ainda não visitou, o mercadinho aproveite a oportunidade até amanhã, Vai haver uma série de actividades como um teatro nocturno, passagem de modelos, música, dança, jogos tradicionais e muito mais.

Pode saber mais sobre a Villa Romana de Rio Maior, em: 

quinta-feira, 8 de junho de 2017

Biblioteca Livre em Rio Maior


No passado dia 19 de Maio, foi inaugurada a ‘Biblioteca Livre’. 


Esta Biblioteca é um expositor em forma de mocho que se encontra nos jardins da Biblioteca Municipal Laureano Santos, em Rio Maior. 
O autor deste bonito mocho é Artur Ribeiro, colaborador da câmara municipal. 

Já não há desculpas para não se ler, pois agora a qualquer hora do dia ou da noite qualquer pessoa pode abrir a porta do expositor e escolher um livro. Não há registos ou prazos. Só se tem de ler e devolver.

Pode saber mais sobre a biblioteca de Rio Maior, em:
 

segunda-feira, 15 de maio de 2017

Procissão das Velas em Asseiceira


Realizou-se hoje, 15-05-2017, pelas 21:00 a procissão das velas em honra de Nossa Senhora, do Rosário de Asseiceira.
Foi no dia 16 de Maio de 1954 que Nossa Senhora apareceu ao vidente Carlos Alberto da Silva Delgado, tendo na altura 11 anos, em Asseiceira, Rio Maior. A aparição de Nossa Senhora repetiu-se todos os meses, sempre no dia 16, entre Maio de 1954 e Janeiro de 1955.
A religião Católica e o regime da altura sempre tentaram impedir, desacreditar e humilhar quem queria mostrar a sua fé nesta que é uma das mais importantes aparições Marianas que ocorreram em Portugal.
Apesar da falta de apoio, a população local nunca deixou de mostrar a sua crença nesta aparição Mariana e todos os dias 16 de cada mês é rezado um terço seguido de uma pequena procissão.
Ficam de seguida algumas imagens da procissão das velas realizada hoje, mostrando o apoio e fé da população a esta aparição.





Pode saber mais sobre esta aparição, em: 

Significado da vela acesa na religião católica.
A vela acesa irradiando a sua luz, simboliza Cristo, “Luz do Mundo”, conforme Ele próprio se qualificou. Este simbolismo encontra-se também no sacramento do baptismo, chamado sacramento da iluminação. Ao ser baptizado, a criança ou adulto, passa das trevas do pecado para a luz da graça.
A vela acesa é também o símbolo da consumação, significando a adoração e a entrega total de quem a acende ao seu Deus.

Existe uma reportagem realizada pelo EXPRESSO que merece ser vista, sobre A Aparição Mariana em Asseiceira, intitulada “As Visões que o Estado Novo Silenciou”: 

segunda-feira, 1 de maio de 2017

Nova Rotunda, Mina do Espadanal



Na tarde do dia 25 de Abril foi inaugurada a nova Rotunda da Mina do Espadanal e Rua Quinta do Abum pelo executivo da Câmara Municipal de Rio Maior.
Esta é uma obra financiada pelo Grupo Sonae, detentor da cadeia de supermercados Continente, e que estava projectada desde 2010, altura em que aquele hipermercado se instalou em Rio Maior. A via de comunicação demorou 7 anos a concretizar por dificuldades na negociação dos terrenos.
Na rotunda foi instalada uma escultura em ferro alusiva à mina do Espadanal.



domingo, 22 de janeiro de 2017

Associação Animais de Rio Maior



A associação foi criada em 2015 com a finalidade de promover o bem-estar animal e sensibilizar a sociedade para a importância da esterilização, como factor redutor do abandono e eventuais maus tratos. Tem como objectivo a solidariedade e protecção animal em todas as suas vertentes.

Os fundadores da associação sediada em São João a Ribeira, Luís Varela Romão e Maria Luísa Romão já ajudaram mais de 300 animais a encontrar novos donos.
São as pequenas acções de alguns que podem promover grandes mudanças em todos nós. 

Pode saber mais sobre a Animais de Rio Maior na sua página: 

Passou recentemente na RTP1, no programa ‘Animais Anónimos’ com Nuno Markl e Ana Galvão uma interessante reportagem sobre a Animais de Rio Maior que pode ver a seguir.
video

Apesar de recente, esta associação já conta com o apoio de Manuel Luís Goucha e da Filipa Herédia da empresa Mars Portugal. Todo o apoio é sempre pouco, por isso informe-se e ajude como puder.


sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

Peças de Rio Maior no Museu Nacional de Arqueologia


Peças existentes no Museu Nacional de Arqueologia encontradas em Rio Maior

Vaso com decoração impressa e plástica
proveniência: Gruta de Nossa Senhora da Luz II. Rio Maior. Santarém
cronologia: Neolítico Antigo Evoluído/Neolítico Médio
tipologia: Vaso em cerâmica
dimensão: altura 20,3 cm diâmetro 20,2 cm
categoria: Neolítico
nº de inventário: 989.8.1
descrição: Grande vaso de cerâmica em "forma de saco", de forma globular, com duas asas bífidas e verticais sobre o bordo, perfuradas horizontalmente. Apresenta uma fiada de quatro mamilos na zona média do bojo. A decoração impressa, do tipo cruciforme ou "folha de acácia", dispõe-se em fiadas paralelas ao bordo.

Núcleo
proveniência: Vale de Porcos I. Rio Maior
cronologia: Paleolítico Superior – Aurinhacense
tipologia: Núcleo em sílex
dimensão: largura 4,5 cm espessura 4,3 cm comprimento 8 cm
categoria: Paleolítico
nº de inventário: 984.647.3
descrição: Núcleo prismático para lâminas com plano de percussão preparado.

Lâmina
proveniência: Vale de Porcos I. Rio Maior
cronologia: Paleolítico Superior – Aurinhacense
tipologia: Lâmina em sílex
dimensão: largura 2,4 cm espessura 0,6 cm comprimento 12 cm
categoria: Paleolítico
nº de inventário: 984.648.1
descrição: Lâmina ultrapassada de secção trapezoidal.

Ponta de Casal do Felipe
proveniência: Casal do Felipe. Rio Maior
cronologia: Paleolítico Superior – Gravetense
tipologia: Ponta em sílex
dimensão: largura 1,3 cm espessura 0,4 cm comprimento 6,2 cm
categoria: Paleolítico
nº de inventário: 986.65.227
descrição: Ponta muito aguçada e de aspecto fusiforme, obtido por retoque bilateral.

Lamela de dorso
proveniência: Carneira. Rio Maior
cronologia: Paleolítico Superior – Magdalenense
tipologia: Lamela de dorso em sílex
dimensão: largura 0,55 cm espessura 0,24 cm comprimento 3,5 cm
categoria: Paleolítico
nº de inventário: 986.94.1514
descrição: Lamela de dorso truncada. Apresenta retoque abrupto.

Lamela de dorso
proveniência: Carneira. Rio Maior
cronologia: Paleolítico Superior – Magdalenense
tipologia: Lamela de dorso em sílex
dimensão: largura 0,63 cm espessura 0,30 cm comprimento 3,85 cm
categoria: Paleolítico
nº de inventário: 986.94.1556
descrição: Lamela de dorso truncada. Apresenta retoque abrupto.

Raspadeira-buril
proveniência: Terra do Manuel. Rio Maior
cronologia: Paleolítico Superior – Gravetense
tipologia: Raspadeira-buril em sílex
dimensão: largura 2,14 cm espessura 0,96 cm comprimento 6,15 cm
categoria: Paleolítico
nº de inventário: 987.51.2988
descrição: Raspadeira alongada sobre lâmina. No lado oposto é visível um golpe de buril.

Núcleo
proveniência: Forno da Telha. Rio Maior
cronologia: Mesolítico pleno
tipologia: Núcleo em sílex
dimensão: largura 4,2 cm espessura 2,4 cm comprimento 6,2 cm
categoria: Mesolítico
nº de inventário: 987.119.32
descrição: Núcleo poliédrico. Numa das faces apresenta levantamentos verticais de extracção de lascas finas e grossas, e na face oposta apresenta vestígios de talhe, de maiores dimensões. As marcas de pressão encontram-se na parte inferior do núcleo.

Vaso com decoração impressa
proveniência: Abrigo 1 de Bocas. Rio Maior. Santarém
cronologia: Neolítico Antigo Evoluído
tipologia: Vaso em cerâmica
dimensão: altura 16 cm diâmetro 14,4 cm
categoria: Cerâmica
nº de inventário: 2005.133.1
descrição: Vaso de cerâmica de forma globular, ou em "fundo de saco", com duas pequenas asas horizontais e opostas, de perfuração vertical situadas logo abaixo do bordo. Apresenta decoração impressa, organizada em fiadas irregulares abaixo do bordo.


O Museu Nacional de Arqueologia está inserido no Mosteiro dos Jerónimos, mais precisamente na Praça do Império (1400 - 206 LISBOA) e está aberto de 3.ª feira a domingo das 10h00 às 18h00.