Pesquisar neste blogue

terça-feira, 30 de julho de 2013

Infidelidade real em Rio Maior - sec XIV



Infidelidade em Rio Maior da rainha D Leonor com o fidalgo da Corunha, João Fernandes de Andeiro, contra o rei D. Fernando.
Este conto está narrado em ‘Chronica de El-Rei D. João I” por Fernão Lopes, na página 20.
Pode ser lido na integra em http://purl.pt/416/1/.
Aqui neste meu artigo, vou tentar dar uma imagem mais abrangente do acontecimento.




O rei D. Fernando (N 31-10-1345; F 22-10-1383), com cognome de O Formoso mas também O Inconsciente,  teve um início de reinado marcado pela política externa, já que com a morte de D. Pedro I de Castela (morreu sem deixar herdeiros masculinos), D. Fernando declarou-se herdeiro do trono contra outros pretendentes, como D. Henrique de Trastâmara. Em 1371 é assinado um tratado de paz em que entre outros pontos D. Fernando é prometido a D. Leonor de Castela.




Mas nessa altura D. Fernando apaixona-se pela mulher de um dos seus cortesãos, D. Leonor Teles de Menezes. Rapidamente o casamento de D. Leonor com João Lourenço da Cunha é anulado, existe um casamento em segredo entre o rei D. Fernando e D. Leonor, existe posteriormente um casamento público a 15 de Maio de 1372 e D. Leonor de Castela é prontamente prometida a Carlos III de Navarra.
A paz com Castela é conseguida e D. Fernando dedica-se a reparar e construir castelos, promulgação da Lei das Sesmarias (desenvolvimento agrícola), alargar as relações mercantis com o estrangeiro, desenvolver a marinha, criação da Companhia das Naus,...
D. Leonor torna-se cada vez mais influente junto do rei, influenciando a sua intervenção nas relações com o exterior. D. Fernando não consegue ter uma governação forte havendo um degradar do ambiente político interno e a corte é alvo constante de intrigas.
Aqui aparece um novo personagem, João Fernandes de Andeiro, fidalgo galego natural da Corunha (região de Andeiro-Cambre). Apoiante do rei D. Fernando quando este invadiu a Galiza para conseguir o trono da Castela, teve-se de refugiar em Inglaterra (pois o monarca português não saiu vitorioso). A partir de 1372 começa a fazer viagens a Portugal e aí apaixona-se pela rainha D. Leonor, tendo com ela um romance. Este romance era conhecido por todos na corte e crescia o desejo de vingança entre os nobres contra o conde Andeiro por este desonrar o rei dormindo com a rainha. No entanto era difícil cumprir a vingança, pois o conde Andeiro andava sempre guardado por muitos e bons fidalgos e quem tomasse a iniciativa, para além de arriscar a vida iria perder todos os seus bens caso sobrevivesse.
Aqui começa a história envolvendo Rio Maior.
O Conde D. João Afonso, 4º Conde de Barcelos e 1º Conde de Ourém, irmão da rainha D. Leonor, regressa de Castela onde estivera preso e logo soube das queixas que recaíam sobre a irmã, ficando determinado em matar o conde Andeiro.
Vai então ter com o rei D. Fernando que se encontrava hospedado no paço de Rio Maior, junto com a rainha, ao regressar de uma batalha que houvera em Elvas. Isto deve de se ter passado no início de 1379.
Numa noite o irmão da rainha saiu com os seus companheiros e ficaram a aguardar escondidos pela chegada do conde Andeiro para o matar. Eis que vem o conde Andeiro sozinho a cavalo e com uma tocha na mão a chegar a Rio Maior para se encontrar com a rainha. Os que o esperavam para atacar inquietaram-se e fizeram barulho o que levou ao conde Andeiro a recear continuar o caminho e decidir voltar atrás.
Existe quem conte a história de outra maneira dizendo que a rainha ao saber das intenções do irmão o convidou a ficar num dos quartos do paço de Rio Maior, recebendo-o muito bem e oferecendo-lhe presentes para este desistir do seu objetivo e assim permitir que o conde Andeiro escapasse.
Após este episódio, parte o rei e a sua comitiva para Santarém e nisto morre o rei de Castela, D. Henrique de Trastâmara, em 29 de Maio de 1379. O conde Andeiro é enviado a Castela como embaixador o que mais inquietou os nobres portugueses.
Com a morte de D. Henrique de Trastâmara volta a haver uma nova tentativa de D. Fernando para governar Castela. Em Agosto de 1382 a paz é acordada com o Tratado de Elvas em que Beatriz, filha de D. Fernando é prometida ao filho do novo rei de Castela, D. João I de Castela (embora ela viesse a casar com o próprio rei D. João I). Esta união era um verdadeiro decreto de anexação de Portugal pela coroa de Castela o que não foi bem recebida pela nobreza portuguesa. Neste tratado também ficou estipulado que os castelhanos devolveriam os homens e navios que se encontravam aprisionados, bem como as localidades que tinham sido tomadas.
O conde Andeiro é alvo de várias tentativas de assassinato, mas de todas consegue sempre escapar ileso.
A 22 de Outubro de 1383, o rei D. Fernando morre. A rainha D. Leonor é nomeada regente do reino em nome da filha D. Beatriz e de D. João de Castela (com quem se casara). A independência de Portugal estava em risco.




D. João, mestre de Avis e irmão bastardo de D. Fernando, apoiado por um grupo de nobres, entre os quais Álvaro Pais e D. Nuno Álvares Pereira, assassinou o conde Andeiro a 6 de Dezembro de 1383 (na realidade o mestre de Avis feriu de morte o conde Andeiro, mas este só acabou por morrer com uma estocada de Rui Pereira) e iniciou o processo de obtenção da regência em nome do infante D. João (meio irmão do mestre de Avis, filho de D. Pedro I e D. Inês de Castro).
D. Leonor refugia-se em Alenquer e mais tarde em Santarém (cidades fiéis à rainha).
Durante a crise de 1383-1385, vive-se em Portugal uma autêntica guerra civil em que umas cidades são por D. Leonor, outras por D. Beatriz e seu marido, outras pelo mestre de Avis e ainda outras cidades que se mantiveram neutras.
D. Leonor abdica da regência em benefício da sua filha e de seu marido João I de Castela.
A 6 de Abril de 1385 as cortes portuguesas reunidas em Coimbra elevam o mestre de Avis a rei de Portugal, como D. João I. Inicia-se assim uma guerra feroz com Castela.
As sucessivas batalhas acabam com a decisiva batalha de Aljubarrota em que Castela teve de se retirar do combate e a estabilidade da coroa de D. João I ficou solidamente garantida.
D. Leonor refugia-se no Mosteiro de Tordesilhas, perto de Valhadolide, onde segundo alguns historiadores veio a falecer em 1386.
Sobre a descendência, D. Fernando teve uma filha de um relacionamento anterior ao seu casamento, D. Isabel. D. Leonor teve um filho do primeiro casamento, Álvaro da Cunha. D. Fernando e D. Leonor tiveram três filhos: D. Beatriz de Portugal que casou com o rei D. João I de Castela; D. Pedro que morreu aos cinco anos de idade; D. Afonso que morreu após o quarto dia do seu nascimento.

A descrição deste paço de Rio Maior, normalmente associado a um castelo, vem reforçar a ideia de que em Rio Maior existiu um castelo, na zona em que atualmente se situa o edifício da antiga Escola Industrial, ao lado da capela de Nossa Senhora da Vitória (por baixo da qual existem as ruínas do antigo paço).
Esta fortaleza encontra-se relatada em alguns documentos e o espaço serve perfeitamente para a edificação de uma pequena fortaleza como a do castelo de Alcanede. A foto seguinte mostra a sobreposição do castelo de Alcanede na zona em que se pensa ter existido o castelo de Rio Maior.





Pode saber mais sobre o Paço de Rio Maior, em:

Pode saber mais sobre o Alcaide-mor de Rio Maior em: