Pesquisar neste blogue

domingo, 22 de junho de 2014

Água - Abastecimento e Tratamento



A água cobre 71% da superfície da Terra, sendo que 97% de toda a água se encontra nos oceanos.
A água é vital para os seres humanos e restantes seres vivos, funcionando como reguladora de temperatura, diluidora de sólidos, transportadora de nutrientes pelos vários órgãos e também como transportadora de resíduos para serem eliminados pela urina  ou por evaporação nos poros da nossa pele.
A pesar da água estar presente em praticamente tudo o que nos rodea, a água potável é escassa já que só cerca de 3% de toda a água é doce e desta água só cerca de 30% se encontra acessível. O acesso à água potável tem melhorado ao longo dos anos e existe uma clara correlação entre o acesso à água potável por parte das populações e o PIB per capita da região em estudo. No entanto o nível de poluição tem aumentado, reduzindo a quantidade de água potável disponível e a produção em massa necessita de muita água. Basta referir que cerca de 70% da água doce existente no mundo é usada pela agricultura e que cerca de 70% de toda essa água é desperdiçada.


Mas como é feito o abastecimento e tratamento de água no Concelho de Rio Maior?
A gestão do sistema de águas foi entregue à empresa Águas do Oeste, S. A.
A concessão é válida por um periodo de 30 anos, até 2030.
“A Águas do Oeste, S.A. é a empresa concessionária do Sistema Multimunicipal de Abastecimento de Água e Saneamento do Oeste, que serve os Municípios de Alcobaça, Alenquer, Arruda dos Vinhos, Azambuja, Bombarral, Cadaval, Caldas da Rainha, Lourinhã, Mafra, Nazaré, Óbidos, Peniche, Rio Maior, Sobral de Monte Agraço e Torres Vedras, tendo sido criado pelo Decreto-Lei nº. 305-A/2000, de 24 de novembro.
A Águas do Oeste tem por acionistas a Águas de Portugal, SGPS, S.A., a Comunidade Intermunicipal do Oeste e 14 Municípios, sendo o seu objeto social a exploração e a gestão do Sistema Multimunicipal.”
Pode consultar a página da Águas do Oeste em: 

Sistema de Abastecimento de Água.

O sistema de Abastecimento de Água à zona Norte da região Oeste serve os municípios de Alcobaça, Caldas da Rainha, Nazaré e Rio Maior, assim como os municípios do Sistema de Abastecimento de Água à zona Centro (Azambuja, Bombarral, Cadaval, Lourinhã e Óbidos), através da adutora entre o reservatório de Via Vai (município de Rio Maior) e o reservatório da Silheira (Subsistema I - município de Azambuja).
Com capacidade para servir uma população de 126.200 habitantes-equivalente, no ano Horizonte de Projecto, este sistema tem uma capacidade máxima de transporte de 65.600 m3/dia de água para abastecimento público.
Este sistema, com origem no sistema adutor da EPAL (Albufeira de Castelo do Bode) em Alcanhões, tem uma extensão total aproximada de 136 km e é constituído por nove Reservatórios e cinco Estações Elevatórias. O investimento aí efetuado rondou os 40,5 milhões de euros, financiados em 55% pelo Fundo de Coesão da União Europeia.
O município de Rio Maior é abastecido "em alta" pela Águas do Oeste, que permite o reforço do abastecimento nos reservatórios municipais de Marmeleira, Via Vai e Vivenda.

Sistema de Saneamento.

O município de Rio Maior é servido por doze sistemas de saneamento. Em operação encontram-se as ETAR de Alcobertas, Arruda dos Pisões, Asseiceira/ Ribeira de Santo André, Assentiz/ Marmeleira, Correias, Fráguas, Malaqueijo, Outeiro da Cortiçada, Ribeira de S. João/ S. João da Ribeira, Rio Maior, S. Sebastião e Vale de Óbidos.
Prevê-se a desativação da ETAR de Vale de Óbidos, com a construção de sistema intercetor e consequente ligação ao Sistema de Saneamento de Rio Maior.
Está ainda prevista a construção da ETAR de Azambujeira no município de Rio Maior.
Sistema de Saneamento de Alcobertas 
Início de exploração por parte da Águas do Oeste (ano): 2003
População a servir em horizonte de projeto: 1.300 hab.eqv.
Infraestruturas: 1 ETAR (adquirida ao município)
Caudal de dimensionamento: 195 m3/dia
Sistema Intercetor: não tem
Lugares servidos: parte da freguesia de Alcobertas
Intervenções: não tem. 
Sistema de Saneamento de Arruda dos Pisões 
Início de exploração por parte da Águas do Oeste (ano): 2003
População a servir em horizonte de projeto: 550 hab.eqv.
Infra-estruturas: 1 ETAR (adquirida ao município)
Caudal de dimensionamento: 83 m3/dia
Sistema Intercetor: não tem
Lugares servidos: Arruda dos Pisões (freguesia de Arruda dos Pisões)
Intervenções: não tem. 
Sistema de Saneamento de Assentiz / Marmeleira 
Início de exploração por parte da Águas do Oeste (ano): 2003
População a servir em horizonte de projeto: 1.800 hab.eqv.
Infraestruturas: 1 ETAR (adquirida ao município)
Caudal de dimensionamento: 271 m3/dia
Sistema Intercetor: 2 EE + 6,6 km
Lugares servidos: Arrouquelas, Assentiz e Marmeleira
Intervenções: não tem. 
Sistema de Saneamento de Correias 
Início de exploração por parte da Águas do Oeste (ano): 2003
População a servir em horizonte de projeto: 400 hab.eqv.
Infraestruturas: 1 ETAR (adquirida ao município)
Caudal de dimensionamento: 61 m3/dia
Sistema Intercetor: não tem
Lugares servidos: Correias (freguesia de Outeiro da Cortiçada)
Intervenções: não tem. 
Sistema de Saneamento de Fráguas 
Início de exploração por parte da Águas do Oeste (ano): 2003
População a servir em horizonte de projeto: 700 hab.eqv.
Infraestruturas: 1 ETAR (adquirida ao município)
Caudal de dimensionamento: 105 m3/dia
Sistema Intercetor: não tem
Lugares servidos: parte da freguesia de Fráguas
Intervenções: não tem. 
Sistema de Saneamento de Malaqueijo 
Início de exploração por parte da Águas do Oeste (ano): 2008
População a servir em horizonte de projecto: 550 hab.eqv.
Infra-estruturas: 1 ETAR (adquirida ao Município)
Caudal de dimensionamento: 83 m3/dia
Sistema Interceptor: não tem
Lugares servidos: Malaqueijo e Casais da Própria
Intervenções: não tem 
Sistema de Saneamento de Outeiro da Cortiçada 
Início de exploração por parte da Águas do Oeste (ano): 2003
População a servir em horizonte de projeto: 600 hab.eqv.
Infraestruturas: 1 ETAR (adquirida ao município)
Caudal de dimensionamento: 90 m3/dia
Sistema Intercetor: não tem
Lugares servidos: Vale do Brejo (freguesia de Fráguas) e Outeiro da Cortiçada, Casais do Alto e Vale Marinhas (freguesia de Outeiro da Cortiçada)Intervenções: não tem. 
Sistema de Saneamento de Asseiceira/ Ribeira de Santo André 
Início de exploração por parte da Águas do Oeste (ano): 2003
População a servir em horizonte de projeto: 1.500 hab.eqv.
Infraestruturas: 1 ETAR
Caudal de dimensionamento: 224 m3/dia
Sistema Intercetor: 1 km
Lugares servidos: parte das freguesias de Rio Maior e Asseiceira
Intervenções: não tem. 
Sistema de Saneamento de Rio Maior 
Início de exploração por parte da Águas do Oeste (ano): 2003
População a servir em horizonte de projeto: 17.500 hab.eqv.
Infraestruturas: 1 ETAR remodelada (adquirida ao município)
Caudal de dimensionamento: 3.325 m3/dia
Sistema Intercetor: 2,2 km + 1 EE (ETAR de Vale de Óbidos)
Lugares servidos: parte da freguesia de Rio Maior
Intervenções: Remodelação geral da ETAR de Rio Maior - investimento associado: €2.9000.000. 
Sistema de Saneamento de São Sebastião 
Início de exploração por parte da Águas do Oeste (ano): 2003
População a servir em horizonte de projeto: 1.000 hab.eqv.
Infraestruturas: 1 ETAR (adquirida ao município)
Caudal de dimensionamento: 159 m3/dia
Sistema Intercetor: 2 km
Lugares servidos: parte das freguesias de Fráguas e S. Sebastião
Intervenções: não tem. 
Sistema de Saneamento de Vale de Óbidos 
Início de exploração por parte da Águas do Oeste (ano): 2003
População a servir em horizonte de projeto: 650 hab.eqv.
Infraestruturas: 1 ETAR
Caudal de dimensionamento: 99 m3/dia
Sistema Intercetor: não tem
Lugares servidos: Vale de Óbidos
Intervenções: o presente sistema será ligado ao sistema de saneamento de Rio Maior através da execução de 1 EE e 2 km de coletor - investimento estimado: €300.000. 
Sistema de Saneamento de São João da Ribeira/ Ribeira de S. João 
Início de exploração (ano): 2010
População a servir em horizonte de projeto: 1 600 hab.eqv.
Infraestruturas: 1 ETAR nova
Caudal de dimensionamento: 233 m3/dia
Sistema Intercetor: 0,5 km
Lugares servidos: parte das freguesias de S. João da Ribeira e de Ribeira de S. João
Intervenções: construção de ETAR e emissário (0,5 km) - investimento estimado: €800.000. 
Sistema de Saneamento de Azambujeira 
Início de exploração por parte da Águas do Oeste (ano): 2012 (previsão)
População a servir em horizonte de projecto: 600 hab.eqv.
Infraestruturas: 1 ETAR a construir
Caudal de dimensionamento: 92 m3/dia
Sistema Intercetor: não tem
Lugares servidos: Afouvés e Azambujeira
Intervenções: construção de ETAR - investimento estimado: €350.000.


No entanto existem ainda vários problemas que persistem em Rio Maior quanto à gestão da água.
Continua a haver ainda hoje várias condutas de água não tratada que vão ter ao nosso rio, Rio Maior, sem levarem qualquer tratamento, contribuindo em muito para a má qualidade da água que infelizmente caracteriza este rio que tem o nome da nossa Cidade e Concelho.
Quanto à distribuição de água, a Vila da Marmeleira continua a ter zonas em que de Verão é difícil que a água canalizada lá chegue, existem ainda muitas canalizações com presença de amianto à espera de serem substituidas e rendas excessivas concedidas à Águas do Oeste pois no contrato inicial foram previstos determinados indices de consumo que não se verificam, obrigando os contribuintes a pagar pela água que não consomem e pelo tratamento do saneamento que não produzem.

Por último, a EPAL tem um simulador que nos permite ter uma melhor percepção de onde estamos a ser menos eficientes na gestão da água. Vale a pena fazer uma simulação, em:

Vários dos textos aqui expostos, foram retirados do site da Águas do Oeste.

terça-feira, 17 de junho de 2014

Demografia

O INE divulgou os novos dados relativos à demografia da população portuguesa.


Estes dados podem ser consultados em: 

Os nascimentos em Portugal caíram mais de 26% em apenas dez anos.
O número médio de filhos por mulher nunca foi tão baixo em Portugal como em 2013 (1,21 filhos). 
Portugal está também a perder habitantes. De 2012 para 2013, estão em Portugal menos 60 mil pessoas, uma redução de 0,6% da população.
Esta redução deveu-se à evolução negativa do saldo natural, isto é, nasceram menos pessoas do que morreram, apesar da quebra de 1% no número de óbitos, nasceram menos 7,9% crianças. Mas a emigração também contribuiu para a perda de população pois só no ano passado saíram mais de 128 mil portugueses do país (53 mil emigrantes permanentes e 74 mil temporários). 
O índice positivo divulgado é o da esperança média de vida que tem vindo a aumentar. As mulheres vivem em média 82,79 anos e os homens 76,91 anos.

Mas como é que estamos em relação a Rio Maior?
População em Rio maior: 
Sexo                Ano 2011        Ano 2012        Ano 2013 
Ambos            21 211             21 156             21 087
Homens          10 265             10 229             10 182 
Mulheres        10 946             10 927             10 905

Índices de Rio maior de 31 de Dezembro de 2013, em relação a 2011 
Saldo Natural:                                  -49 pessoas 
Saldo Migratório:                             +30 pessoas
Crescimento efetivo:                        -19 pessoas 
Taxa B. natalidade:                           +8/1000
Taxa B. mortalidade:                        +10.3/000 
Taxa de crescimento efetiva:            -0,09%
Taxa de crescimento natural:            -0,23% 
Taxa de crescimento migratória:       +0,14%
Índice dependência jovem:               +22,8 
Índice dependência idoso:                +31,9
Índice dependência total:                  +54,7 
Índice de envelhecimento:                +139,6
Índice de longevidade:                      +48,1
Índice renovação população ativa:   +89,8

Estes dados devem de ser analisados com cuidado pelos decisores políticos, pois mostram uma tendência preocupante e generalizada a todo o território nacional.

sábado, 14 de junho de 2014

Sal e Templários


Este ano, de 13 a 15 de Junho, realiza-se a terceira edição do evento “Sal e Templários” nas salinas de Rio Maior.

Para se realizar eventos medievais, não é necessário ter castelos. Rio Maior possui uma história muito rica e um anfiteatro natural que são as salinas.
Por três dias Rio Maior recua no tempo e volta ao ano de 1177 em que Pero d’Aragão e sua mulher Sancha Soares venderam parte das salinas à Ordem dos templários.

A organização do evento é da Câmara Municipal de Rio Maior com a colaboração da “Companhia Livre”, participando cerca de 100 figurantes, 12 cavalos, 1 burro e várias aves.
Todos os visitantes podem participar na vivência dos acampamentos da época, treino de armas, mesas pedagógicas, exposições, tendas diversas e à recriação da venda de parte das salinas aos templários.

Esta é uma excelente iniciativa e bem organizada que convida à participação de todos que queiram aparecer para passarem uns momentos animados e diferentes.















Se pretender saber mais sobre as Salinas de Rio Maior: 
http://rio-maior-cidadania.blogspot.pt/2010/06/salinas-de-rio-maior.html

segunda-feira, 9 de junho de 2014

Calçada Portuguesa - Praça da República


A calçada portuguesa é um tipo de pavimento com origem em Portugal, mas muito utilizado nos países lusófonos.

A calçada resulta assim no calcetamento com pedras geralmente de calcário branco e negro, de formas irregulares, que podem ser usadas para formar padrões decorativos.
Apesar de já se calcetar ruas desde 1500 em Portugal, a calçada portuguesa surge como a conhecemos em meados do século XIX. A primeira calçada deste género, foi feita em Lisboa na encosta do castelo, no ano de 1842 usando presidiários como mão-de-obra.

Em Rio Maior, praticamente todas as zonas pedonais encontram-se pavimentadas com a calçada portuguesa. Um dos locais em que é mais notada é na Praça da República.

A calçada portuguesa tem várias vantagens, como:
Ornamentais (Podem-se fazer belas composições); Baixa manutenção (quando bem aplicada); Mantêm a permeabilidade do solo; Não cria ambientes áridos; Possui alta durabilidade; Não quebra (ao contrário de outras placas) e também tem boas propriedades antiderrapantes.

segunda-feira, 2 de junho de 2014

Parque do Peregrino em Asseiceira



No passado dia 16 de Maio a Freguesia de Asseiceira festejou o seu 30º aniversário.
Integrado nos festejos, foi inaugurado o Parque do Peregrino, o novo parque de merendas da freguesia que fica na saída de Asseiceira em direção a Rio maior. Neste ato estiveram presentes diversas personalidades, entre elas: Henrique Bernardo (Presidente da Junta de Freguesia de Asseiceira), Luís Santana Dias (Presidente da Junta de Freguesia de Rio Maior), Isaura Morais (Presidente da Câmara Municipal de Rio Maior) e os Vereadores Lopes Candoso e Augusto Figueiredo.

Durante a cerimónia inaugural do Parque do Peregrino, foi apresentado o painel de azulejos com a seguinte inscrição:
“Parque do Peregrino
Esta obra é o resultado de um trabalho de parceria entre as Freguesias de Asseiceira e Rio Maior.
Mais importantes do que as linhas que nos separam serão sempre as populações que nos unem.
16 de Maio de 2014”.
Esta iniciativa conjunta das duas Freguesias, Asseiceira e Rio maior, permitiu terminar este parque que serve todos os que aqui queiram descansar, mas com especial destaque aos peregrinos que por esta terra passam com destino a Fátima.

De realçar neste espaço é o designe dos bancos e das mesas que os tornam peças únicas e verdadeiras obras de arte.