Pesquisar neste blogue

terça-feira, 11 de agosto de 2015

Serra dos Candeeiros - Nome


Por que é que a Serra dos Candeeiros se chama Serra dos Candeeiros? 


No tempo do Afonso Henriques a serra dos Candeeiros era conhecida por monte Taixa (do árabe tauaja que significa “a coroada”), por se parecer com uma coroa para quem a vê do seu lado ocidental.
Desde então, já se chamou de várias maneiras, como Arius dos montes Arvios (de acordo com a ode marítima) e mais recente como: Serra de Albardos, Serra de Sancta Marta, Serra de Patelo, Serra Alcobertas, Serra dos Candieiros ou Serra dos Molianos. 

Mas como aparece o nome Serra dos Candeeiros?
Para responder a esta questão, houve um apelo ao debate na excelente página do Facebook “ZAMIAIS , Retalhos do meu povo”. 

E começaram a sugerir hipóteses:
- Serra dos Candeeiros por os seus cumes parecerem castiçais. A serra tem 7 cumes como o castiçal judeu. 
- Candeeiros vem de Canda que significa caruma ou rama seca de pinheiro.
- Segundo a memória dos “antigos” o nome vem do facto de terem existido na serra muitos pastores que durante os meses de Verão ateavam fogos para permitirem a renovação dos matos. Os fogos faziam a serra parecer um candeeiro e daí viria o seu nome. 
- Serra dos Candeeiros por causa das candeias (oliveiras).
- Serra dos Candeeiros por aqui se terem fabricadas candeias a azeite ou velas e o povo ter dado nome à serra dos que fabricavam estes “candeeiros”. 
- O Topónimo Candeeiros deriva de Candoso ou Candosa que tem por base o nome de um vegetal referenciado no séc. X/XI e que teria a forma de cándano ou cándana.
- Serra dos Candeeiros, pois no tempo de D. Afonso Henriques havia num local elevado desta serra um ponto de vigia que comunicava com o castelo de Alcanede por sinais luminosos. Daí Serra dos Candeeiros. 
- Serra dos Candeeiros porque na época em que não havia luz e com medo dos ladrões, as mulheres arranjavam candeias para iluminar os homens na passagem do “casal vale de ventos” para o “covão do milho”. Daí serra dos candeeiros.
- Os topónimos Candeeiros, Canda, Candais, Candeo, Candoso, … significarão lugar onde predominantemente se cria ou criava gado. A palavra derivará de “Cando”, ou seja gado. No dicionário galego aparece a palavra “gando” significando um conjunto de animais domésticos e “gandeiro” a pessoa que cria gado. Assim sendo, a Serra dos Candeeiros é a serra dos criadores de gado. 


Mas a explicação para o actual nome Serra dos Candeeiros é o seguinte:
Candeeiro aparece no dicionário como um termo usado no Minho de Portugal e no Brasil como a pessoa que vai à frente de um carro de bois, conduzindo os bois guia, imprimindo o ritmo e o rumo do carro. 
Na Serra dos Candeeiros existe ainda a Aldeia dos Candieiros e a Lagoa dos Candeeiros, o que evidencia haver nesta região pessoas dedicadas a serem guias para as juntas que transportavam carga entre o Norte e o Centro/Sul de Portugal e que nesta zona com a esqueces de água e o terreno difícil bem precisariam deles.
O termo Serra dos Candeeiros foi posto pelos viajantes que tinham de fazer uma paragem obrigatória na Lagoa dos Candeeiros e assim a serra perdeu a antiga designação de Serra dos Albardos. A paragem nesta Lagoa dos Candeeiros é muito mais antiga que a antiga casa da Malaposta do Alto da Serra.

Se hoje quisessem dar um nome à serra era provável que esta se chamasse Serra dos Geradores ou Serra das Pedreiras.

Pode saber mais sobre a Malaposta em Rio Maior, em: 

sábado, 8 de agosto de 2015

O Salteador e o Estudante


O Salteador e o Estudante

Esta história ou lenda, está escrita no “Archivo Popular” de 1843 e passou-se nos pinhais de Rio Maior.


Um estudante finalista que iria provavelmente para Coimbra foi abordado por um assaltante empunhando um bacamarte junto aos pinhais de Rio Maior.
O estudante bem tentou convencer o assaltante de que o que lhe estava a fazer era malvado e que havia tanta outra gente a quem o dinheiro faria menos falta.
Não tendo outra hipótese de se salvar, o estudante lá entregou todo o dinheiro que trazia, 22 cruzados novos.
O estudante no entanto não desistiu e continuou a tentar que para o crime do assaltante não ser tão hediondo, poderia este trocar o dinheiro por algo que o assaltante tivesse, como, o bacamarte.
O assaltante concordou e mal o estudante se viu com o bacamarte engatilhou-o e apontou-o ao ladrão, exigindo que lhe restituísse de imediato o dinheiro.
O assaltante deu uma gargalhada e disse “Amigo, não é com essa arma que o podeis fazer, porque está descarregada, mas já com esta (mostrando-lhe uma pistola) seria muito mais fácil”.
Assim o estudante seguiu o seu caminho, mais ferido no orgulho do que na carteira. 


sábado, 1 de agosto de 2015

Fonte da Breja em Arrouquelas



A H2O (Associação de Jovens de Arrouquelas)com o apoio da VFP (Volunteers For Peace) criou o projecto “Fountains of youth” com o objectivo de reparar 5 fontes existentes em Arrouquelas.
Os detalhes do projecto podem ser consultados em: 
A página do Facebook da H2O pode ser consultada em: 

O trabalho deste campo internacional contou com a participação de 14 jovens de 10 países Europeus e de Taiwan. Com a duração de 2 semanas realizaram trabalhos de recuperação de algumas fontes em Arrouquelas, com destaque para a Fonte da Breja. Com a coordenação da H2O o projecto envolveu também vários mecenas, voluntários locais, o IPDJ (Instituto Português do Desporto e Juventude), Junta de Freguesia de Arrouquelas e da Câmara Municipal de Rio Maior.
A inauguração do novo espaço da Fonte da Breja realizou-se pelas 21:30 do dia 29 de Julho de 2015.
O ex-líbris da intervenção na Fonte da Breja é o grande e bem conseguido painel pintado pelo jovem pintor Francisco Camilo no muro que delimita o espaço.



Excelente iniciativa para recuperar espaços degradados e para criar valores de equipa nos jovens. Esta é daquelas iniciativas que todos ganham.

Porque será que esta fonte se chama Fonte da Breja? Actualmente Breja significa cerveja, mais não é esta a origem do nome da fonte. Breja é o mesmo que Brejo e que significa lamaçal ou matagal.

Pode conhecer mais sobre as fontes de Arrouquelas, em: 

As seguintes imagens mostram os trabalhos realizados na Fonte da Breja e foram retiradas da Página da H2O.